domingo, 31 de julho de 2011

Lições da história: como o império espanhol colapsou por causa da dívida


Default More Than 400 Years Ago Leaves Scars: Christophe Chamley


Illustration by Raquel Leiva Olmo

The House Republicans, many of them opposed to raising the federal government’s borrowing ceiling, might take a lesson from the first sovereign debt crisis: Spain’s default in 1575. What events more than 400 years ago suggest is that it’s easy to ignite a dangerous chain reaction in financial and credit markets and inflict lasting damage on the economy.
Republicans today are playing the part of the cities of Castile, whose delegates to the Cortes (the Spanish parliament) opposed raising taxes to service King Philip II’s long-term bonds.
Spain, at the time, was the world’s sole superpower. Contemporaries described it as an empire“over which the sun never sets.” Yet the king needed the cities’ consent to borrow at a reasonable rate. And he needed it for a reason: The cities collected the taxes.
Each of the 18 main cities of Castile levied a special tax earmarked for long-term debt service. The level of this tax was set every six years through negotiation with the king. Tax collections were used first to pay off local long-term bondholders, with the rest sent to the central government. The local long-term bondholders were, in large part, the elderly living in the area. So local taxpayers realized that if they didn’t pay, their parents would be hurt. Thus, this precursor to Social Security had an effective enforcement mechanism -- the ire of the elders.

Confluence of Interests

But the king could only exploit this confluence of interests so far. The Cortes set the earmarked tax rate by majority rule, and that limited the king’s issuance of what were, in effect, his AAA securities. The king also issued other bonds secured by other, non-earmarked revenue. These securities were of a lower grade and sold at lower price.
Thanks to Philip’s expensive military adventures in the Netherlands and the Mediterranean,Spain’s debt had reached half of gross domestic product by 1573. At that point, the cities balked at paying higher taxes. For the next two years, they refused to budge in their confrontation with the king.
Finally, in September 1575, Philip took a circuitous route to outmaneuver the Cortes. He suspended payments not on the long-term debt, but on the short-term debt, which was owed primarily to Genoese bankers. The people cheered. Resentment against bankers ran as high then as now -- perhaps higher, because the bankers were foreigners. The upshot, however, was default and a full-blown credit crisis.
Why did the Cortes and the king play this game?

O fim da bolha dos BRICs está chegando

BRIC Banks Signaling Credit Risks as Loans Sour


Banks in the biggest emerging markets are losing the confidence of investors as loans turn sour after a two-year credit binge.
Brazil’s financial shares have lost more this year than counterparts in crisis-stricken Europe as consumer defaults hit a 12-month high in June and borrowing costs climbed to 46 percent. Bank stocks in China are trading at lower valuations than global emerging-market indexes for the first time since 2006. The country faces a financial crisis with bad debt that may jump to 30 percent of total loans, Fitch Ratings said.
In India, the cost of insuring banks against default has climbed to the highest level in a year. Loan-loss provisions atState Bank of India (SBIN), the nation’s largest lender, rose 77 percent in the first three months of 2011, while net income fell 99 percent.
“People are beginning to smell the credit cycle turning,”Michael Shaoul, chairman of Marketfield Asset Management and chief executive officer of New York-based brokerage Oscar Gruss& Son, said in an interview. “Credit cycles have tremendous momentum, and whenever they turn you want to pay attention,”said Shaoul, who recommends selling high-yield bonds in emerging markets and betting on further losses in bank shares.
Loans to Brazilian shoppers, Chinese infrastructure projects and Indian developers have fueled the global economic recovery and turned emerging-market banks into some of the world’s biggest companies by market value. Now increased debt burdens threaten growth as central banks raise interest rates to fight inflation, U.S. hiring stalls and Europe deepens austerity measures. China and Brazil may see expansion cut by at least 50 percent in the next few years, according to economic consulting firms A. Gary Shilling & Co. and Capital Economics Ltd.
Leia mais

Reformas econômicas na Cuba

Líder cubano vai rever economia e implementar reformas

agenciaestado
Em domingo 31/7/2011, às 17:36
O presidente cubano, Raul Castro, começa seu sexto ano no poder nesta segunda-feira com uma reunião com o Parlamento para discutir a implementação de reformas que vão permitir que pequenos empresários operem em países comunistas...
Membros do Parlamento têm se encontrado desde a última quinta-feira para rever as condições do País. Resultados econômicos pobres, planejamento ruim e burocracia desordenada são os principais assuntos em discussão, segundo informou a imprensa cubana. 
Leia mais
Análise: Cuba's Post-Soviet Socialism

quinta-feira, 28 de julho de 2011

O novo índice Big Mac

Note bem que segundo o novo índice Big Mac do The Economist o real brasileiro não é apenas mais de 50 por cento sobrevalorizado, ainda pior, se o preço do Big Mac no Brasil está corrigido pelo o produto interno bruto per capita brasileiro, o preço do Big Mac significa um sobrevalorização do real de 150 por centos. No outro lado, o Yuan de China é drasticamente subvalorizado.

Poder de compra do dólar americano desde 1913

Em 1914 o banco central americano (US Federal Reserve System) começou a sua operação. Desde este tempo o dólar perdeu 95 % do seu poder de compra.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

A teoria econômica padrão sob investigação

A great divide holds back the relevance of economists

By Mark Thoma
The opinions expressed are his own.
Reuters invited leading economists to reply to Mark Thoma’s Op-Ed on the “great divide” in economics and will be publishing the responses. Here are responses from Ashwin Parameswaran, James Hamilton, Dean Baker, Lawrence Summers, and a recap of Paul Krugman’s.
Leia mais

Milagres do mercado

Editorial Reviews


We are surrounded by miracles created in the private sector, particularly in the digital universe, and yet we don't appreciate them enough. Meanwhile, the public sector is systematically wrecking the physical world in sneaky and petty ways that really do matter.  Jeffrey Tucker, in It's a Jetsons World, draws detailed attention to both. He points out that the products of digital capitalism are astounding — more outrageously advanced than anything the makers of the Jetsons could even imagine.

Indeed the pace of change is mind-boggling. The world is being reinvented in our lifetimes, every day. Email has only been mainstream for 15 years or so, and young people now regard it as a dated form of communication used only for the most formal of correspondence. And no one uses the telephone unless a call has already been scheduled in advance. Oddly, hardly anyone seems to care, and even fewer care about the institutional force that makes all this progress possible — the market economy. Instead, we just adjust to the new reality. We even hear of the grave problem of "miracle fatigue" — too much great stuff, too often. Truly, this new world seems to have arrived without much fanfare at all.

And why? We absorb amazing things and don't think much about their source or the system that produces them. We don't appreciate the market.

The Jetsons' world of rapid innovation is our world, but there is one major difference — and it isn't the flying car, which we might already have were it not for the government's promotion of roads and the central plan that manages transportation. It is this: we also live in the midst of a gigantic Leviathan state that seeks to control every aspect of our life down to the smallest detail. This is what keeps getting in our way. With good, incisive economic sense and an indelible wit, this book will inspire love for free markets — and loathing of government.

Queda da bolsa de valores mostra fracasso da política econômica brasileira

Inflation Drives Brazil Stocks to Bear Market

Brazilian stocks approached a bear market, with the benchmark index down 20 percent from a November high, as quickening inflation fueled concern earnings growth will flag in the world’s second-largest emerging economy.
The Bovespa fell 1.6 percent in Sao Paulo to 58,398.49 at 11 a.m. New York time, extending the worst performance this year among major equity markets. A close at this level would indicate a bear market, typically defined as a drop of at least 20 percent from the preceding bull-market peak. The real tumbled 1.8 percent to 1.5665 per dollar today after the government said it will levy a tax on some investments in currency derivatives.
“These measures reinforce the negative sentiment that foreign investors already had on Brazil,” said Eduardo Favrin ...
Leia mais 

Novas medidadas na guerra cambial

Governo publica novas medidas cambiais

O governo publicou hoje no Diário Oficial da União (DOU) uma medida provisória (MP) e um decreto que trazem mudanças cambiais e tributárias em derivativos e empréstimos externos. A MP autoriza o Conselho Monetário Nacional (CMN), para fins de política monetária e cambial, a estabelecer condições específicas para a negociação de contratos derivativos, independentemente da natureza do investidor. O CMN poderá determinar depósitos sobre os valores nocionais dos contratos, fixar limites, prazos e outras condições sobre as negociações dos contratos.Segundo a MP, no caso de operações relativas a títulos ou valores mobiliários, envolvendo contratos derivativos, a alíquota máxima fixada é de 25% sobre o valor da operação.
Leia mais
Análise: O que está por trás da guerra cambial?

Dívida americana

Visualização da dívida soberana americana em notas de cem dólares

Os países creditórios dos Estados Unidos

Brasil está no 4. lugar entre os crediotores estrangeiros dos Estados Unidos, mas anote que o valor para a Grã-Bretanha contém diversos países, especialmente do Oriente Médio, que investem via Londres. Assim, de fato, o Brasil é o 3. maior creditor estrangeiro dos Estados Unidos.

terça-feira, 26 de julho de 2011

Novas intervenções cambiais

BC reforça intervenção, mas não evita 6a queda do dólar

reuters
Em terça-feira 26/7/2011, às 18:33
Por Silvio Cascione
SÃO PAULO (Reuters) - A atuação agressiva do Banco Central ajudou a limitar a queda do dólar ante o real nesta terça-feira, mas a moeda norte-americana continuou nos menores níveis em mais de 12 anos em meio ao impasse sobre a dívida dos Estados Unidos.
O dólar à vista fechou a 1,5388 real para venda, em queda de 0,35 por cento. Na mínima do dia, o dólar chegou a ter queda de cerca de 1 por cento, a 1,5284 real.
A taxa Ptax, usada como referência para contratos futuros e outros derivativos, fechou a 1,5345 real para venda, em queda de 0,67 por cento.
Leia mais
Comentário: Estou realmente curioso quando o governo vai aprender a lição que intervenções no mercado cambial não funcionam. Imagine quanto o Brasil já gastou até agora comprando dólares quando a taxa de câmbio era mais de 2 reaispor dólar até agora quando a taxa é perto de 1,50 reais. Note também que a conta corrente do Brasil é deficitário e que a acumulação de reservas é basicamento o resultado destas intervenções. Em outras palavras: as reservas internacionais do Brasil não entram, como é o caso da China, por exemplo, pela balança comerical, mas pela balança de capitais.

Assim funciona uma bolha imobiliária - o caso de Espanha

The Spanish Property Crash – Was This What Was Really Happening?

What if I told you that you could earn millions without actually ever doing anything for just a smallish investment? What if I told you that the victims would be banks and nobody else? (well maybe just the odd foreigner)? What if I told you that you could live happily ever after with no consequences?
You would probably tell me to ‘pull the other one’ wouldn’t you – or words to that effect? However, this may well have been the World of the Spanish developer during the boom years.
Let me tell you more.
1) You come up with a plan to build a development of (say) 100 homes maybe on rustic non-buildable land. To this effect, you set up a limited company, an SL, with 3000 Euros in the bank and 500 Euros in notary costs (this is important because limited companies have limited liabilities)
2) You ingratiate yourself with the local Mayor (I will leave you to imagine how, but let’s just say, for example, you offered him a cut of your profit)
3) You get your planning permission and, so far, your only cost is for your brother in law, an out of work architect perhaps, to come up with some basic drawings and urbanization plans. You cut him into the deal along with a lawyer to draw up contracts.
4) You go to a bank and ask them to fund the development with possibly a 100% upside for you.
5) Your bank agrees and you get money from them to fund 70% of the cost of the development (having overestimated the cost of course) with 30% of the money up front to start work, 30% when the land is prepared and the foundations in and 40% when the roofs are placed on the properties to finish off the development.
6) Out of your first 30% you take your commission ie. your profit and you start selling the properties off-plan to buyers desperate to get into the hugely profitable real estate boom. Your profit works out as follows: ....
Leia mais

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Cerveja - a bebida da liberdade

Ok. Eu admito. Muitos de vocês já suspeitavam há muito tempo. O meu casamento com os princípios liberais é apenas um disfarce para os meus interesses egoístas e materialistas. Uma superestrutura ideológica, digamos assim. No entanto, não é o dinheiro que me motiva. É a cerveja.
Eu sou um amante da cerveja artesanal, e um cervejeiro. E a verdade é que a liberdade favorece a boa cerveja.
Leia mais 
Leia o original

A função de lucro e prejuízo

"Profit tells the entrepreneur that the consumers approve of his ventures; loss, that they disapprove."  - Ludwig von Mises

Petróleo à $ 120 até dezembro?

Oil at $120 Becomes Biggest Energy Bet

The biggest bet in the oil market has become a 20 percent increase to $120 by the end of the year as global growth drives demand for raw materials.
Leia mais

Petrobras quer eliminar dívidas em dez anos

Petrobras Says Oil Revenue to Eliminate Need for New Debt After 10 Years

Petroleo Brasileiro SA, Brazil’s state-controlled oil producer, said its plan to more than double output will boost cash flow and eliminate the need to tap debt markets after about 10 years.
The company’s profit from oil sales will be enough to cover operating and debt costs starting in about 10 years, Chief Financial Officer Almir Barbassa said yesterday in an interview at its headquarters in Rio de Janeiro. Petrobras’s exit from the bond market will increase the value of existing notes because the amount of total debt will start declining, he said.
Petrobras, as the company is known, said July 22 it will invest $224.7 billion through 2015, more than any other major oil producer in the world, as it develops the Western Hemisphere’s largest discoveries in about three decades. As part of the plan, the company said it will raise as much as $91 billion in debt and $13.6 billion through asset sales and cost cuts.
Leia mais

Atualidade e história da dívida americana

Doug French explica: "the bill can't be paid and won't be paid. That much should be obvious. But denying the obvious is a mental trait built into the structure of the system. The economic crisis of 2008, which continues to produce shock waves, was really just the realization that the consumer-debt load at the time was unsustainable.
Washington was the head cheerleader for, and architect of, the entire racket. The culprits weren't Wall Street, Bear Stearns, and Lehman Brothers; the real driving force was decades of government policies that "expanded the numbers of Americans in debt and legitimated borrowing as an alternative to saving," writes Louis Hyman in his extraordinary book Debtor Nation: The History of America in Red Ink.
Leia mais

Perspectiva da inflação brasileira

Mercado eleva cenário de inflação em 2012 a 5,28%

reuters
SÃO PAULO, 25 de julho (Reuters) - O mercado financeiro elevou suas previsões para a inflação em 2012 e nos 12 meses à frente, segundo o relatório Focus divulgado pelo Banco Central nesta segunda-feira.
A expectativa para a alta do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano permaneceu em 6,31 por cento, enquanto a de 2012 subiu de 5,20 para 5,28 por cento.
A meta do governo para a inflação nos dois anos tem centro em 4,5 por cento e tolerância de dois pontos percentuais.
Leia mais

domingo, 24 de julho de 2011

Peso de encargos trabalhistas

Brasil é nº 1 em encargos trabalhistas

agenciaestado
Em domingo 24/7/2011, às 8:53
Confirmado: o Brasil é mesmo o campeão mundial dos encargos trabalhistas. Levantamento inédito da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), feito com base em dados compilados pelo Departamento de Estatística do Trabalho dos Estados Unidos (BLS, sigla em inglês de Bureau of Labor Statistics), mostra que os encargos já correspondem a praticamente um terço (32,4%) dos custos com mão de obra na indústria de transformação brasileira.
Trata-se do valor mais alto de toda a amostra, 11 pontos porcentuais superior à média dos 34 países estudados pelo BLS (21,4%). Na Europa, por exemplo, o peso dos encargos no custo da mão de obra é de apenas 25%.
Quando comparado aos países em desenvolvimento, com os quais o Brasil compete comercialmente em escala mundial, a posição do País é ainda pior. Os encargos são 14,7% dos custos em Taiwan, 17% na Argentina e Coreia do Sul e 27% no México.
Leia mais

Convite de participar no grupo de pesquisa sobre macroeconomia financeira

      













Prérequisitos: interesse sério no tema e vontade de se dedicar a estudo de textos em inglês com matemática básica (incentivamos também a participação online via internet)

Macroeconomia

Downloads de milhares de livros sobre macroeconomia e outras temáticas:
ebookx

Os grandes mitos sobre a "Grande Depressão"

 Many volumes have been written about the Great Depression of 1929-1941 and its impact on the lives of millions of Americans. Historians, economists and politicians have all combed the wreckage searching for the “black box” that will reveal the cause of the calamity. Sadly, all too many of them decide to abandon their search, finding it easier perhaps to circulate a host of false and harmful conclusions about the events of seven decades ago. Consequently, many people today continue to accept critiques of free-market capitalism that are unjustified and support government policies that are economically destructive.
Leia mais

sábado, 23 de julho de 2011

Petrobras planos de investimentos

Petrobras aprova investimentos até 2015

efe
Em sexta-feira 22/7/2011, às 22:43
Rio de Janeiro, 22 jul (EFE).- A Petrobras aprovou nesta sexta-feira seu plano de negócio para o período compreendido entre 2011 e 2015 no qual prevê um investimento total de US$ 224,7 bilhões, US$ 700 milhões mais que a quantidade do plano anterior que finalizava em 2014.
Em um fato relevante enviado ao mercado, a companhia estatal informou que a maior concentração de investimentos, US$ 127,5 bilhões que representam 57% do total, será destinado ao segmento de prospecção e produção.
Dentro dessa verba, 45% do investimento irá para os recursos do pré-sal, as reservas de petróleo localizadas no Oceano Atlântico a grande profundidade que podem transformar o Brasil em um dos maiores exportadores mundiais.
Leia mais

sexta-feira, 22 de julho de 2011

O governo brasileiro continua comprar dólares

Governo estuda novas medidas para segurar o dólar

BRASÍLIA. A equipe econômica continua monitorando o comportamento do dólar no mercado. Apesar de o ministro da Fazenda, Guido Mantega, ter minimizado os efeitos da forte entrada de moeda estrangeira na semana passada, ele já pediu a sua equipe que deixe engatilhadas todas as medidas possíveis para evitar que o dólar fique muito abaixo de R$ 1,55, menor cotação em 12 anos. Uma possível ação que pode ser adotada é tornar ainda mais caro para os bancos as operações com derivativos.
Embora já tenha elevado de 0,38% para 6% o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), que incide sobre depósitos de garantia para aplicações estrangeiras no país (operação utilizada no mercado de derivativos), o tributo pode subir mais. Há duas semanas, o Banco Central aumentou a punição para os bancos que atuam no mercado com excessiva posição de câmbio vendida - quando aposta na desvalorização do dólar.
Leia mais
Comentário: Acho absurdo que o governo brasileiro continua comprar dólares americanos - lixo monetário.

Dívida americana em perigo de default

EUA: fracassa negociação sobre teto da dívida

O presidente americano, Barack Obama, informou nesta sexta-feira que fracassaram as negociações de última hora com os republicanos para ampliar o limite da dívida e evitar um default.
Obama criticou os republicanos por não aceitar um "pacto extraordinariamente justo" e convocou os líderes do Congresso a novas negociações neste sábado, às 11H00 local (12H00 de Brasília).
Leia mais
Comentário: Muitas coisas que aparecem como surpresa tem de verdade uma história antiga.

Grécia salva - por enquanto

Grécia considera um 'grande alívio' o novo plano de resgate europeu

O ministro grego das Finanças disse nesta sexta-feira estar aliviado com o plano de resgate anunciado na véspera pela zona do euro para salvar o país da falência.
"É um grande alívio para a economia grega", comemorou Evangelos Venizelos. "Os bancos gregos estão garantidos e seguros", acrescentou, poucas horas após o anúncio de um pacote de quase 160 bilhões de euros elaborado para salvar o país da bancarrota.
"A dívida pública está sob controle, o país está salvo (...), houve uma grande mobilização geral, uma frente europeia forte", considerou Venizelos.
Ele destacou ainda que o plano prevê que os bônus da dívida grega com vencimentos até o ano 2020 serão trocados por novos títulos a 30 anos, "garantidos pelo sistema".
"A Grécia se beneficiará de uma grande operação de 'rollover'", afirmou.
Texto completo
Leiam também: O euro - que moeda é essa?

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Segundo resgate à Grécia

Principais pontos do segundo resgate financeiro à Grécia

efe
Em quinta-feira 21/7/2011, às 19:25
Bruxelas, 21 jul (EFE).- Estes são os principais elementos do segundo resgate financeiro da Grécia estipulado nesta quinta-feira pela cúpula de líderes da Eurozona:
Financiamento público:
---------------------
- Número total: 109 bilhões de euros entre a zona do euro e o FMI durante o período de 2011-14.
- Extensão do vencimento dos bônus do fundo de resgate provisório (FEEF) dos 7 anos e meio atuais a um mínimo de 15 anos e um máximo de 30..
- Taxas de juros equivalentes ao custo de financiamento, atualmente em 3,5%.
- Programa de controle "adequado" sobre estes empréstimos.
- Programa de incentivos para implementar o programa de reformas, incluindo acordos de garantias.
Financiamento privado:
---------------------
- A participação das entidades privadas totalizará até 50 bilhões de euros até 2014, e será de forma "voluntária" através de um conjunto de opções, entre as quais figuram a troca de bônus, a troca de títulos de seu vencimento por novos a um prazo mais longo, e a recompra de dívida.
Instrumentos de estabilização:
------------------------------
- Se ampliam os poderes do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF) para que possa atuar pela primeira vez para prevenir um possível contágio a outros países, incluindo os que não têm programas de resgate, com linhas de crédito preventivas, a recapitalização de bancos através de empréstimos a Governos e a intervenção no mercado secundário da dívida.
Relançamento da economia:
-------------------------
- Estratégia de crescimento e investimento na Grécia baseada na atribuição de fundos estruturais da União Europeia para a competitividade e o crescimento.
- Os Estados-membros e a Comissão Europeia mobilizarão todos seus recursos para dar assistência técnica excepcional para que Grécia possa realizar as reformas necessárias. EFE
Fonte 
Comunicado oficial: 
communique is here PDF).

Sobe demanda de voos

Anac: demanda por voos no País sobe 19,5% em junho

A demanda no mercado aéreo doméstico brasileiro apresentou um crescimento de 19,54% em junho deste ano na comparação com igual mês do ano passado, segundo dados divulgados hoje pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A oferta no mesmo intervalo de comparação aumentou 12,48%, ao passo que a taxa de ocupação passou para 68,10%, de 64,09% em junho de 2010.
Comentário: Brasil, um país com cada vez mais de todo, mas um extremo atraso em todas as áreas que cai na competência do governo: portos, aeroportos, estrada, educação, saúde, segurança pública. Brasil é o caso clássico do “government failure”. A solução não consiste em melhorar a performance do governo brasileiro, porque este parece impossível, mas sim, reduzir as competências governamentais e deixar mais que possível para a atuação do setor privado.
Menos governo significa menos impostos que traz menor taxa de juros que implica mais investimentos privados que aumentam a produtividade da economia e no final resulta em mais riqueza para o País.


 

Classificação de risco da dívida soberana dos PIGS

Fonte: FAZ

Taxa de juros da dívida pública dos PIGS (em comparação com Alemanha e França)

Fonte

Déficits orçamentários dos PIGS 2000 - 2010

Forum de governança financeira

The World Economic Forum's Financial Governance initiative consists of an ongoing dialogue between key stakeholders in the global financial sector, policy arena and academia concerning an emerging regulatory framework designed to enhance the global economic recovery and provide a sound basis for long-term stability.
Link

Orçamento americano - receita e gastos

Veija pelo tamanho dos globos a discrepância entre receita (revenue) e gastos (expenses) e observe de onde vai o dinheiro e quais são as áreas dos gastos (20 % para militar, 20 % para seguro social e 22 % para saúde e demais).

terça-feira, 19 de julho de 2011

Contágio global

FMI alerta para contágio global da crise na zona do euro

efe
Em terça-feira 19/7/2011, às 12:45
Washington, 19 jul (EFE).- O Fundo Monetário Internacional (FMI) advertiu nesta terça-feira que a crise de dívida soberana da zona do euro ameaça não só a Europa, mas a recuperação global, e pediu esforços mais "sistemáticos" para restaurar a confiança nos mercados.
Leia mais

Universidade popular

University of the People (UoPeople) is the world’s first tuition-free online university
dedicated to the global advancement and democratization of higher education.


The University embraces the worldwide presence of the Internet and dropping technology costs to bring tuition-free academic programs within reach to millions of people around the world.

With the support of academic leadership from top universities and a student body comprised of students from over 115 countries, UoPeople has become a tuition-free higher education global leader.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Vídeo palestras para assistir durante as férias

January 27, 2004
Antony Mueller
January 29, 2004
Antony Mueller
January 28, 2004
Dr. Antony Mueller

Debate Keynes contra Hayek

Keynes v Hayek

London School of Economics 

LSE and BBC Radio 4 public debate

Date: Tuesday 26 July 2011
Time: 6.30-8pm
Venue: Old Theatre, Old Building
Speakers: Professor George Selgin, Professor Lord Skidelsky, Duncan Weldon, Dr Jamie Whyte
Chair: Paul Mason
How do we get out of the financial mess we're in? Two of the great economic thinkers of the 20th century had sharply contrasting views: John Maynard Keynes believed that governments could create sustainable employment and growth. His contemporary and rival Friedrich Hayek believed that investments have to be based on real savings rather than fiscal stimulus or artificially low interest rates. BBC Radio 4 will be recording a debate between modern day followers of Keynes and Hayek.
Leia mais

Dívida americana no impasse

Democratas e republicanos mantêm impasse sobre dívida

reuters

Por Deborah Charles
WASHINGTON (Reuters) - Faltando cinco dias para o prazo final determinado pelo presidente Barack Obama para que se chegue a um acordo com o intuito de elevar o teto da dívida dos Estados Unidos, republicanos e democratas ainda têm de concordar com um grande plano para reduzir o déficit do país e aumentar o limite de financiamento, a tempo de evitar um inédito default pelos EUA.
Os esforços para chegar a um amplo acordo de redução do déicit estão emperrados num impasse sobre cortes de impostos, conforme os parlamentares --de olho nas eleições de 2012-- mantêm firmememente suas posições.
Leia mais

Como aconteceu a crise bancária americana?

In one of the most gripping financial narratives in decades, Andrew Ross Sorkin-a New York Times columnist and one of the country's most respected financial reporters-delivers the first definitive blow- by-blow account of the epochal economic crisis that brought the world to the brink. Through unprecedented access to the players involved, he re-creates all the drama and turmoil of these turbulent days, revealing never-before-disclosed details and recounting how, motivated as often by ego and greed as by fear and self-preservation, the most powerful men and women in finance and politics decided the fate of the world's economy.