segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Fundamentos de Economia

Prova III 17 de Dezembro 2008 Temas: A. Economia Monetária B. Política Econômica C. Crescimento Econômico A) Economia Monetária Funções da moeda Definição de moeda Moeda fiduciária Sistema bancário de reserva fracionária Dinheiro como o activo mais líquido Liquidez Meios de pagamentos Depósitos à vista (conta corrente) Reservas bancárias (voluntárias e compulsórias) taxa de reserva compulsória Multiplicador bancário dos depósitos Criação múltipla do depósito à vista Base monetária (BM) Função do Banco Central (produtor de notas, gerenciar política monetária) Criação de dinheiro por bancos comerciais (emprestimos) Demando por moeda Oferta de moeda taxa de juros B)Política Econômica Metas macroeconômicas (alta renda, alto nível de emprego, estabilidade monetária) Política: Política fiscal e política monetária Instrumentos: PF - Gastos do governo (G), impostos (T) PM - Taxa de juros (i), massa monetária (M) Política de estabilização (política conjuntural) Política econômica restritiva corrigir demanda excessiva: G-, T+, M-, i+ Política econômica expansiva corrigir demanda insuficiente: G+, T-, M+, i- Política de crescimento econômico (fortalecer a oferta) C) Crescimento Econômico Melhoria tecnológica invenção inovação poupança investimentos capital capital humana (educação, saúde) Melhoria institucional instituições jurídicas estabilidade política Condições básicas para lançar crescimento econômico (aumento da renda nacional ao longo prazo) garantia dos direitos de propriedade (property rights) estabilidade política (processo política previsivel) mercados competitivos (concorrência econômica) estabilidade monetária (moeda e preços, sistema financeiro) comércio livre (comércio internacional, abertura econômica) mercado de capitais aberto (fluxos de capital) Ausência de impostos com elevados alíquotas marginais A concorrência como método de descobrimento econômico (experimento econômico)num processo de imitação e com pioneiros

domingo, 14 de dezembro de 2008

US taxa de juros à zero (0)

domingo, 7 de dezembro de 2008

Macro I - estoques: produção sem vendas

"LONG BEACH, California (Reuters) – From pricey luxury sedans to popular hybrid cars, automobiles made overseas are stacking up at ports and parking lots around the United States as supplies far outstrip demand amid the nation's worst auto market in more than 25 years. At the Long Beach port near Los Angeles, Toyota Motor Corp vehicles including Prius hybrids, FJ Cruiser sport utility vehicles and Lexus IS 250 luxury sedans are being stored on a vast construction site that will one day be a new container terminal..." http://news.yahoo.com/s/nm/20081207/us_nm/us_autos_ports Tarefa: Como este fenomeno se pode modelar na cruz keynesiana?

sábado, 6 de dezembro de 2008

Moeda local

"...Residents from the Milwaukee neighborhoods of Riverwest and East Side are scheduled to meet Wednesday to discuss printing their own money. The idea is that the local cash could be used at neighborhood stores and businesses, thus encouraging local spending. The result, supporters hope, would be a bustling local economy, even as the rest of the nation deals with a recession... It's not a new concept—experts estimate there are at least 2,000 local currencies all over the world—but it is a practice that tends to burgeon during economic downturns. During the Great Depression, scores of communities relied on their own currencies. And it's completely legal..." http://www.chicagotribune.com/business/chi-talk_moneydec03,0,2902061.story

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Próximas provas

Fundamentos de Economia 17 de Dezembro Análise Macroeconômica 18 de Decembro

Taxa de desemprego Estados Unidos

Dec. 5 (Bloomberg) -- U.S. companies slashed payrolls last month at the fastest pace in 34 years as the economy headed for its deepest and longest recession since World War II. Employers cut 533,000 jobs, bringing losses so far this year to 1.91 million, the Labor Department said today in Washington. November’s drop exceeded all 73 forecasts in a Bloomberg News survey. The unemployment rate rose to 6.7 percent, the highest level since 1993...-- http://bloomberg.com/apps/news?pid=20601068&sid=aLgwfpZSD.R0&refer=home

Como manipular a estadística

Jim Jubak: "... Most criticism of the official inflation number, the Consumer Price Index, or CPI, has focused on the statistical flimflam used by the Bureau of Labor Statistics to calculate how fast prices are going up. Chief among these is a technique called hedonics. Starting in the 1990s, some economists and government statisticians began arguing that a $100 increase in the price of, say, a car wasn't really a $100 price increase if the power, safety features or general usefulness of the car improved substantially. If the subjective value of the car went up by $100, then, despite the increase in what you paid, according to the government, the price didn't go up at all. The objection to this kind of adjustment is that it introduces a huge amount of subjectivity into the process of calculating inflation. Determining the increased usefulness of a product or service requires a subjective judgment about the value of this or that feature. What is the extra horsepower of a car worth to a user? How about extra safety features? And to which user? And if the cost of a car went up by $100 even if it came with more and better features, wasn't the price still in reality $100 higher? Hedonic quality adjustments weren't the only statistical adjustments that the government made to the inflation numbers. Starting in 1983, the government also started to measure changes in the cost of housing by looking not at the cost of a house but at what an owner would get if he or she rented out that house. Since in a housing boom the price of houses rises about three times as fast as rents do, this change understated the rate of inflation. In the 1990s, the government also started to include substitution pricing in its inflation measure. In this adjustment, government statisticians assumed that if the price of something went up, people would use less and would substitute a less costly product or service. So when steak went up in price, consumers might buy more pork or chicken. Figuring out what substitution a consumer would make again added to the subjectivity of the inflation numbers. Including substitution destroyed the whole point of the exercise because it turned the government's shopping basket from an inflation measure to a set of lifestyle choices..." http://articles.moneycentral.msn.com/Investing/JubaksJournal/fake-inflation-numbers-masked-crisis.aspx?page=all Veja tambem: http://www.mises.org/story/1873 Tarefa: Investigue as consequencias de um metodo de calculo que resulta em taxas de inflaçao mais baixas para outras indicadores econômicos, especialmente taxa de crescimento e produtividade.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Novos podcasts

"O que é a Moeda?" (15 Min) "Moeda e Bancos" "Moeda e a Taxa de Juros" Link: http://continentaleconomics.com/OnlineCampus.html

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

De Bush à Obama

Palestra de Prof. Antony Mueller "De Bush à Obama. Continuidade e Ruptura na Política Econômica dos Estados Unidos" 27 de Novembro de 2008 Programa de Doutorado em Sociologia Universidade Federal de Sergipe UFS Podcast: De Bush à Obama Data show: De Bush à Obama Link: http://continentaleconomics.com/OnlineCampus.html

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Agenda

25 de Novembro: Prova 2 Macro I 26 de Novembro: Prova 2 Fundamentos de Economia 27 de Novembro: Palestra de Prof. Dr. Antony Mueller: "De Bush à Obama. Continuidade e Ruptura da Política Econômica dos Estados Unidos" DID 2 - Programa de Doutorado em Sociologia 19 - 20 horas 02 de Dezembro: Prova 2 Economia Monetária

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Novos Podcasts - Fundamentos de Economia

Conceitos básicos IV - Mercados e Estado Análise de Demanda e Oferta Teoria de Preços Análise de Mercados Impactos de Intervenções Governamentais Controle de Preços Análise de Problemas Macroeconômicos Problemas do Intervencionismo Revisão Mercados, Preço, Estado LINK: http://continentaleconomics.com/OnlineCampus.html

sábado, 22 de novembro de 2008

Macro I - Prova 2 - Resumo

PROF. DR. ANTONY MUELLER UFS RESUMO PROVA II ANÁLISE MACROECONÔMICA Terça, 25 de Novembro 2008 Tema: Mercado de bens, Cruz keynesiana, Mercado financeiro 1. Mercado de bens Demanda total: Z = C + I + G + EX – IM Demanda total para uma economia fechada com governo Z = C + I + G Função de consumo C = f (Yd) Yd = Y – T Equilíbrio: Z = Y Função de consumo (tipo Keynes) C = c0 + c1Yd ou C = c0 + c1(Y – T) → Z = c0 + c1(Y – T) + I + G = Y Derivando o multiplicador Y = c0 + c1Y – c1T + I + G (veja acima) Y – c1Y = c0 + I + G – c1T Y(1-c1) = c0 + I + G – c1T Y = 1/(1-c1) [c0 + I + G – c1T] [c0 + I + G – c1T] representam gastos autônomos (não dependem do produto) 1/(1-c1) é o “multiplicador” que multiplica o gasto autônomo Nota ( com c1 = c) 0 < c < 1 c + s = 1 c = propensão marginal de consumo s = propensão marginal de poupança maior c, maior o multiplicador maior s, menor o multiplicador com c = 0.6 1/(1-c) = 1/0.4 = 2.5 1 bilhão de gastos autônomos (demanda) se transforma em 2.5 bilhões de aumenta da renda dado a economia tem recursos subutilizados, i.e. se a economia está abaixa do pleno emprego. Seqüência keynesiana”: D → Q → R → D (J. M. Keynes) “Seqüência clássica”: Q → R → D → Q (J.B. Say) Nota: “Gap deflacionário” Y0 < YPE O equilíbrio macroeconômico (Y0) se instalou abaixo do pleno emprego (YPE) “Receita keynesiana”: Aumentar os gastos autônomos para fechar o “gap deflacionário” “Gap inflacionário” YE > YPE O equilíbrio e acima do pleno emprego (demanda demais) Receita keynesiana: Reduzir os gastos autônomos para fechar o “gap inflacionário” YPE = Demanda/renda/produto que segura pleno emprego YE = Renda de equilíbrio que não precisa ser necessariamente igual à renda de pleno emprego (YPE) O “paradoxo da poupança” S = Y – T – C = Y – T – c0 - c1 (Y – T) = - c0 + Y – T – c1Y + c1 T S = - c0 + (1 - c1) (Y – T) S = I I = SPR + (T –G) Análise de mercados financeiros Demanda por moeda Md = kY (Equação de Cambridge) Y = Yr P k = 1/V M = 1/V x Yr x P Transformer na equação quantitative da moeda → M x V = Yr x P (Equação de Fisher) Demanda por liquidez M = L (Y, i) Keynes Com L (i) como uma função decrescente da taxa de juros Oferta de moeda Com Ms (oferta) determinada por o Banco Central e L (demanda) dependente da renda (Y) e da taxa de juros (i) Multiplicador monetário m M = m x BP BP = N + R (a base monetária existe em notas em circulação e reservas bancárias) Com m = 1/r r = taxa de reservas r = R/D R = Ro + Rv As reservas bancárias existem em reservas obrigatórias (ou compulsórias) e em reservas voluntárias Veja modelo gráfico da determinação da taxa de juros (p. 64) Relação entre taxa de juros e o mercado financeiro i = (100 – PB)/PB PB = 100/(1 + i) Se o preço de debêntures (bonds) PB baixa, a taxa de juro implícita (i) vai aumentar e vice versa Se o banco central aumenta a taxa básica de juros (SELIC no Brasil, Federal Funds Rate nos Estados Unidos), os preços de debêntures (PB) em circulação vai cair e vice versa Operações do banco central: Comprar/vender títulos para afetar a massa monetária e a taxa de juros diretamente Aumentar/reduzir empréstimos para os bancos comerciais para afetar a massa monetária e a taxa de juros indiretamente Aumentar/reduzir a taxa de reservas obrigatórias (ro) para dar impulsos negativos ou positivos dos empréstimos bancários Aumenta “r”, causa c.p. baixar “m” e vice versa. (não confundir com o multiplicador da renda) O modelo keynesiano é um modelo de curto prazo o que significa que se refere a um período sem mudanças da capacidade.

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

America the Illiterate

"The core values of our open society, the ability to think for oneself, to draw independent conclusions, to express dissent when judgment and common sense indicate something is wrong, to be self-critical, to challenge authority, to understand historical facts, to separate truth from lies, to advocate for change and to acknowledge that there are other views, different ways of being, that are morally and socially acceptable, are dying. Obama used hundreds of millions of dollars in campaign funds to appeal to and manipulate this illiteracy and irrationalism to his advantage, but these forces will prove to be his most deadly nemesis once they collide with the awful reality that awaits us..." Chris Hedges: "America the Illiterate" http://www.rense.com/general84/amrr.htm

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Novos podcasts

Teoria de Preços Análise de Mercados Problemas do Intervencionismo Impactos de Intervenções Governamentais Controle de Preços link: http://continentaleconomics.com/OnlineCampus.html

Balanço conta corrente (trimestral) Estados Unidos

Base monetária - Estados Unidos

Dívida pública na mão do banco central

Federal Funds Rate (taxa de juros básica)

Dívida pública Estados Unidos

M1 estoque monetário

Multiplicador monetário

MZM - Moeda zero maturidade

Crédito ao consumidor

domingo, 16 de novembro de 2008

Declaração final da cúpula G20

Folha de Sâo Paulo: "Na declaração final da Cúpula do G20, neste sábado em Washington (EUA), os líderes se comprometeram a realizar uma reforma dos mercados financeiros por maior transparência e regulação, e que promova uma maior integridade no sistema... No documento, os líderes do grupo --cujos países representam 85% da economia mundial-- se comprometem a aplicar medidas fiscais para estimular as economias nacionais, e lista seis áreas que devem ser priorizadas antes de 31 de março de 2009., além de reformar o FMI (Fundo Monetário Internacional)... Leia íntegra em inglês: http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u468156.shtml

Cúpula G20

"... A capital dos Estados Unidos retornou neste domingo (16) à normalidade após a Cúpula do G20 (que reúne os países mais ricos e os principais emergentes), chamada de "histórica" por alguns participantes, mas na qual os observadores vêem, por enquanto, mais promessas que ações concretas... O jornal americano "The New York Times" destacou hoje que "embora as propostas tenham sido apresentadas ambiciosamente, refletem principalmente medidas que os países já tinham iniciado"..." http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u468342.shtml

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Reforma do sistema financeiro internacional

Antony Mueller: Reforming the World's Financial Order. Institutional and Theoretical Aspects (2001) -------------------------------------------------------------------------------- Abstract Modern financial markets are characterized by rapid innovation and expansion as well as intensive internationalization. The liberalization of capital markets since the 1980s has been accompanied by a shift from structural regulations towards prudential supervision along with endeavors to establish international norms on capital adequacy. During the same period, the markets have been hit by a series of crises, which have caused concern that more strict and direct controls are warranted. This paper argues that although liberalized capital markets do in some way possess an inherent tendency towards instability, almost all cases of severe disturbances in the international capital markets are the result of excessively expansive fiscal and monetary policies, which at some point had to give way to a sharp liquidity contraction. In order to stabilize the system, the monetary and fiscal authorities quite often accelerated expansive measures, exposing investors, lenders and borrowers to misleading interest rate and price signals which resulted in a postponement of the adaptation process and in a number of cases to the prolongation of stagnation. Given the international integration of modern financial markets, misplaced monetary and fiscal policies cause various international spillover effects. Repeated bailouts of borrowers and creditors by central banks, governments and international institutions have led to the persistence of moral hazard as the assumption of implicit guarantees to stabilize financial markets has lowered the perception of risk and resulted in over-exposure. This analysis leads to the conclusion that while more strict regulations might be applied to off-balance financial innovations and that capital adequacy norms should be more strictly enforced on an international level, further direct control seems to bring more harm than good and deflect the attention from the causes of financial instability which are the inadequate control of liquidity." Fonte: http://www.iwp.uni-koeln.de/DE/Publikationen/zfw/1-01/mueller.htm Mueller: Reforming the World Financial Order. Institutional and Theoretical Aspects . In: Zeitschrift für Wirtschaftspolitik 50 (2001), Nr. 1, pp. 15-34

Encontro G20

"... A cúpula que reunirá esta semana em Washington os chefes de Estado e de governo das principais economias do mundo visa a iniciar a reforma do sistema financeiro em mais de meio século, mas não produzirá mudanças imediatas, segundo os analistas..." Leia mais: http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u467824.shtml Tarefa: Identifique as posições e intereses dos grupos e faz uma comparação com a posição e os interesses do Brasil.

Encontro G20

Ainda tem muitas diferenças entre os participantes: "...Europeans want universal banking regulations and broad changes in financial governance. The Bush administration stands opposed and Barack Obama, who is to replace Bush on Jan. 20, 2009, is considered likely to back increased stimulus spending and tougher national regulations but unlikely to agree to set up a global regulator... ...Brazilian President Luiz Inacio Lula da Silva, who also is acting president of the G20, echoed those concerns earlier this week, saying: "This situation means that we also think about change in multilateral institutions which have lost much of their representativeness in the last years." Nor is the G20 - admittedly more inclusive than the G8 - sufficiently representative to come up with solutions on behalf of the rest of the world. "Our way out has to be global," Lula told a news conference. Established in 1999, the G20 consists of the G8 - Britain, Canada, France, Germany, Italy, Japan, Russia, and the United States - plus Argentina, Australia, Brazil, China, India, Indonesia, Mexico, Saudi Arabia, South Africa, South Korea and Turkey, with the last slot taken by the European Union (EU) as a bloc." http://www.truthout.org/111408S Tarefa: Descreve qual é a posição do Brasil e mostre se é adequada para segurar um futuro próspero ou não.

Petrobras

"...Petrobras is already the biggest company in Brazil, with a market value of more than $240 billion, and it is the government's largest single taxpayer. It employs some 52,000 workers, but the new oil find has kindled optimism that new jobs and opportunities lay ahead, especially in the shipping industry in ports along the Atlantic coast... Last November, Petrobras announced its discovery of the Tupi field, which holds an estimated 5 to 8 billion barrels of oil. In September, the company said that the nearby Iara field holds up to 4 billion barrels. But analysts estimate that the region could contain up to 80 billion barrels, about the same as Venezuela. Brazil currently produces more than 2 million barrels a day. By 2015, that could increase to 3 million... When Petrobras began operations in 1954, it was producing just 2,700 barrels a day, less than 3 percent of the country's needs. Brazil remained a heavy crude importer over the next two decades, but the oil shock of the 1970s unfurled a technological fervor. Unlike Mexico, whose discovery of the Cantarell field in 1976 – one of the world's largest oil reserves – thrust it easily into oil exportation, most of Brazil's richest deposits were offshore. "We learned early that to be successful we had to have technological domain," says Carlos Tadeu da Costa Fraga, the executive manager of Cenpes, which was created in 1955 and today, with 2,000 employees, is the largest research center in Latin America. "In deep waters, we have much more experience than other countries in the world." In the 1970s, Petrobras developed equipment and techniques to pump oil that lay deeper than most other companies could reach at the time. And today a new task is at hand as Brazil gets set to tap its newest oil find, which sits at some of the deepest levels in the world – more than 7,000 meters under the ocean's surface. But investment in technology is only part of the story. In 1997, Brazilian lawmakers created a concession model, opening up what had been a monopoly to outsiders who compete with Petrobras on bidding and developing leases. Its shares have been publicly traded on the New York Stock Exchange since 2000. The government owns the majority of voting shares, but today 70 percent of total equity is in the hands of private investors, making it much more responsive to global accounting standards and corporate governance..."-- Leia mais: http://www.printthis.clickability.com/pt/cpt?action=cpt&title=Brazil+as+a+new+kind+of+oil+giant+|+csmonitor.com&expire=&urlID=32435054&fb=Y&url=http%3A%2F%2Fwww.csmonitor.com%2F2008%2F1114%2Fp01s04-woam.html&partnerID=309791

Encontro do G20

Nov. 14 (Bloomberg) -- A two-day summit on the global economic crisis begins today in Washington with world leaders likely to agree on little more than trying to spend their way out of a global recession. The Group of 20 heads of state are divided on what needs to be done after that. European leaders are demanding greater state controls over financial markets. President George W. Bush, who hosts a dinner of his counterparts at the White House tonight, takes a narrower view..."-- http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=20601086&sid=ahyQOB.59C8A&refer=news

Dívida pública

Quem faz parte do G20?

veja: http://en.wikipedia.org/wiki/G20_industrial_nations

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

BaCen: Novas regras para depósitos compulsórios

da Folha Online, em Brasília O Banco Central anunciou nesta quinta-feira uma nova mudança nos depósitos compulsórios para colocar mais dinheiro na economia. Será alterada a forma de recolhimento de cerca de R$ 40 bilhões, o que representa quase 20% de todo o compulsório depositado hoje no BC. A contração do crédito e a falta de liquidez (dinheiro em circulação) é o principal reflexo da crise financeira no Brasil. O compulsório adicional sobre depósitos à vista, a prazo e poupança (chamado pelo BC de "exigibilidade adicional"), que hoje é recolhido em espécie, passará a ser recolhido em títulos públicos a partir de 1º de dezembro. Veja as medidas já anunciadas no Brasil para combater os efeitos da crise 10 questões para entender o tremor na economia Entenda a evolução da crise que atinge a economia dos EUA ... http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u467232.shtml

Economia Monetária

Nov. 13 (Bloomberg) -- Brazil's National Monetary Council is allowing banks to use government bonds instead of cash to meet certain reserve requirements that total 40 billion reais ($17.5 billion) in a bid to increase liquidity...-- http://bloomberg.com/apps/news?pid=20601086&sid=a9pAWVB5bv4g&refer=news

Mission impossible for Obama

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

O caminho de pobreza

- The financialization of the economy, moving from manufacturing to speculation; - Very high levels of debt; - Extreme economic inequality; - Costly military overreaching. Adopted from Kevin Phillips: "Bad Money: Reckless Finance, Failed Politics, and the Global Crisis of American Capitalism" (2007)

O caminho de prosperidade

"Little else is requisite to carry a state to the highest degree of opulence from the lowest barbarism but peace, easy taxes, and a tolerable administration of justice: all the rest being brought about by the natural course of things." Adam Smith Lecture in 1755, quoted by Dugald Stewart

O desafio de Obama

Fox business YouTube video: O que podemos esperar sob a nova presidência nos anos que vem? veja: http://heyokamagazine.com/heyoka.20.geraldcelente.htm As previsões de Gerald Celente: Os Estados Unidos vai se tornar numa nação "undevoloped" ("dedesenvolvida") com - tax revolt (rebelião contra imposts) - job marches (demonstrações trabalhistas - food riots (rebelião para comida) - squatter revolt (rebelião de pessoas sem moradia) Gerald Celente prevê um período de tempo pior que a grande depressão. Em vez de "we can" o novo governo vai realisar que "we can't". Os Estados Unidos vai entrar num declinio econômico geral. Até hoje os Estados Unidos ainda não estão preparado para este choque e continuam estar em um estado de negação, incluindo negar que já estamos numa forte recessão. Não vai ter mais um Natal como festa extrema de consumo.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

TAM

SÃO PAULO - A desvalorização do real perante o dólar também prejudicou o resultado trimestral da TAM. A companhia aérea voltou ao vermelho no terceiro trimestre, ao registrar prejuízo líquido de R$ 112,7 milhões. Segundo a empresa, essa perda reflete a queda de 4,1% do real ante o dólar e as perdas com operações de hedge de combustível. No mesmo intervalo de 2007, a TAM havia tido lucro de R$ 48,5 milhões...-- http://www.valoronline.com.br/ValorOnLine/MateriaCompleta.aspx?tit=TAM+perde+R$+112,7+milhões,+pressionada+por+valorização+do+dólar&codmateria=5255091&dtmateria=10+11+2008&codcategoria=12&tp=371237771

CSN

Nov. 10 (Bloomberg) -- Cia. Siderurgica Nacional, Brazil's third-biggest steelmaker, may post its first loss in six years after bets on its own stock soured last quarter. CSN, as the steelmaker is known, may say this week it had a third-quarter loss of 414 million reais ($192 million), compared with a profit of 699.2 million reais a year earlier... The Rio de Janeiro-based steelmaker held 1.98 billion reais of so-called total-return equity swaps tied to its American depositary receipts as of June 30, according to a company filing. CSN's bets that its ADRs would extend a five-year rally turned bad last quarter after commodity prices fell, sending the equities down 52 percent... CSN also took a hit after the Brazilian real plunged 16 percent in the quarter, boosting the size of its dollar- denominated debt in local-currency terms. The increased debt, coupled with expenses related to the bad stock bets, may lead to financial costs of 1.6 billion reais..." http://bloomberg.com/apps/news?pid=20601086&sid=aLHsN.G887R8&refer=news

Petrobras

Nov. 10 (Bloomberg) -- Petroleo Brasileiro SA, the investor darling among the world's largest oil companies in the first half of the year, has become the biggest loser. Petrobras, as Brazil's state-controlled oil producer is known, is the worst performer among the top 10 publicly traded oil companies since May. The stock dropped 53 percent on concern falling energy prices and the global credit crisis will block or delay efforts to tap the biggest offshore discovery in the Americas in three decades. Earnings growth will slow from 80 percent in the third quarter to 6.2 percent next year, according to the averages of analyst estimates compiled by Bloomberg..." http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=20601086&sid=aexpVGrbff3c&refer=news

domingo, 9 de novembro de 2008

Conhecimentos errados

"The trouble with the world is not that people know too little, but that they know so many things that aren't true."--attributed to Mark Twain Easy answers are seldom correct ones. That principle seems to be at work as the nation struggles to discover the causes of the financial crisis now rocking the economy. Looking for a simple and politically convenient villain, many politicians have blamed deregulation by the Bush Administration. ... presidential candidate Barack Obama asserted in the second presidential debate that "the biggest problem in this whole process was the deregulation of the financial system." But there is one problem with this answer: Financial services were not deregulated during the Bush Administration. If there ever was an "era of deregulation" in the financial world, it ended long ago. And the changes made then are for the most part non-controversial today... A False Narrative. In the wake of the financial crisis gripping the nation, it is tempting to blame “deregulation” for triggering the problem. After all,if the meltdown were caused by the ill-advised elimination of necessary rules, the answer would be easy: Restore those rules. But that storyline is simply not true. Not only was there little deregulation of financial services during the Bush years, but most of the regulatory reforms achieved in earlier years mitigated,rather than contributed to, the crisis. http://www.heritage.org/Research/Economy/upload/wm_2109.pdf

sábado, 8 de novembro de 2008

G 20

"O G20 financeiro --que congrega ministros de Economia e presidentes de bancos centrais das grandes economias desenvolvidas e emergentes-- se reúne todos os anos desde 1999. Neste ano, diante da conjuntura internacional, o foco é a crise financeira iniciada nos EUA que se alastrou pelo mundo... Juntos, os países membros representam cerca de 90% do produto nacional bruto mundial, 80% do comércio internacional e cerca de dois terços da população do planeta..." http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u465626.shtml

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Brasil no mundo

"... Unlike North Americans and Europeans, Latin Americans aren't particularly keen on the idea of acting in haste, planning ahead or worrying too much about the future. They have grown accustomed to dealing with the unlikely, the implausible, the unpredictable and uncontrollable, such as the exact timing of a real-estate bubble bursting, the overnight collapse of financial institutions considered too big to fail or the defeat of a financial rescue package. Like doctors in the Amazon -- who don't have all the tools, never know what the ambulance will bring and treat the patient anyway -- Latin Americans have learned to react fast to unimaginable, unforeseen occurrences... Likewise, Obama would profit if he backs and carries on President George W. Bush's initiative to invite Brazilian President Luiz Inacio Lula da Silva and other leaders of emerging-market economies to join the Group of Seven nations to discuss measures to weather the global financial storm. After his decisive victory on Nov. 4, Obama now has to learn to dance through crisis. Latin Americans can give him useful insights about this new rhythm. It will require creativity, flexibility and spontaneity. The quicker he learns the samba and salsa, the sooner we will all go back to listening to some soothing bossa nova." http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=20601039&sid=aYvV3gyUnGbE&refer=columnist_marinis

Crise chega à Brasil

--"JUST a few months ago, Brazil’s economy was growing at its fastest pace since the mid-1990s, driven by record commodity prices and record credit growth. The country’s president, Luiz Inácio Lula da Silva, declared confidently that “Bush’s crisis” in the United States would not affect Brazil. It all looks very different now. Credit is becoming scarcer and banks more suspicious of each other..." -- http://www.economist.com/world/americas/displayStory.cfm?source=hptextfeature&story_id=12562273

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Política cambial

SÃO PAULO - (Valor) -- "O Banco Central (BC) já injetou cerca de US$ 40 bilhões para irrigar o mercado de câmbio e, principalmente, o financiamento ao comércio exterior. As vendas no mercado à vista somaram até ontem US$ 5,1 bilhões em recursos das reservas internacionais..." http://www.valoronline.com.br/ValorOnLine/MateriaCompleta.aspx?tit=BC+já+injetou+cerca+de+US$+40+bilhões+no+mercado&codmateria=5251243&dtmateria=06+11+2008&codcategoria=10&tp=766239954

Política fiscal

"Em menos de dez anos a carga tributária deixou o patamar de 25% da renda nacional, no qual havia se mantido por mais de duas décadas, e se aproxima da marca de 36%." - Gustavo Patu, em "A Escalada da Carga Tributária" Leia mais: http://www1.folha.uol.com.br/folha/publifolha/ult10037u432272.shtml

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Se precisa nova teoria econômica

Edmund Phelps, director of the Center on Capitalism and Society, Columbia University, who won the 2006 Nobel Prize for economics, writes: "What theory can we use to get us out of the impending slump quickly and reliably? To use the “new classical” theory of fluctuations begun at Chicago in the 1970s – the theory in which the “risk management” models are embedded – is unthinkable, since it is precisely the theory falsified by the asset price collapse. The thoughts of some have turned to John Maynard Keynes. His insights into uncertainty and speculation were deep. Yet his employment theory was problematic and the “Keynesian” policy solutions are questionable at best... At the end of his life Keynes wrote of “modernist stuff, gone wrong and turned sour and silly”. He told his friend Friedrich Hayek he intended to re-examine his theory in his next book. He would have moved on. The admiration we all have for Keynes’s fabulous contributions should not sway us from moving on. Lea mais: http://www.ft.com/cms/s/0/00a01b2e-aa87-11dd-897c-000077b07658.html?nclick_check=1

Especulação errada

"... A Embraer anunciou na noite de ontem que teve prejuízo de R$ 48,4 milhões no terceiro trimestre de 2008, contra lucro de R$ 306 milhões no mesmo período do ano passado e de R$ 176,3 milhões no segundo trimestre...." http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u463808.shtml

Especulação errada

Nov. 4 (Bloomberg) -- Aracruz Celulose SA, the world's biggest eucalyptus-pulp maker, reached an agreement with banks to unwind 97 percent of its wrong-way currency derivatives, leading to a loss of $2.13 billion. Banks will negotiate terms to restructure the debts stemming from the derivatives contracts by Nov. 30, Aracruz said today in a statement to Comissao de Valores Mobiliarios, Brazil's securities regulator. Aracruz didn't disclose which banks are part of the agreement..."-- http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=20601086&sid=asALFmUXJaPI&refer=news http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u463825.shtml

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Argentina repatria investimentos

-- "O governo argentino fixou nesta segunda-feira um prazo de três dias para que os fundos privados de pensões repatriem investimentos milionários em outros países do Mercosul, a maior parte no Brasil. A medida tem o objetivo de estimular e financiar projetos na Argentina, frente à escassez de financiamento originado pela crise internacional. O vice-presidente da Comissão Nacional de Valores (CNV), Alejandro Vanoli, explicou que "basicamente são ações do Brasil" as que deverão ser repatriadas pelas Administradoras de Fundos de Aposentadorias e Pensões (AFJP). O prazo para repatriar esses investimentos foi fixado hoje em uma resolução do "Diário Oficial" do Estado. Vanoli detalhou que se trata de cerca de US$ 600 milhões (R$ 1,3 bilhão) que as AFJP tinham em ativos do Mercosul, bloco formado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai e que tem a Venezuela em processo de adesão..." http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u463565.shtml

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Argentina impacta bolsa de valores em Brasil

Oct. 29 (Bloomberg) -- Argentina's planned nationalization of its retirement system will trigger a fire sale of Brazilian stocks this week as private pension funds are forced to shed foreign holdings. The funds must unload all foreign assets by Oct. 31, ``particularly those in Brazil,'' Amado Boudou, the head of the country's social security agency, said in an interview today with America 24. La Nacion reported yesterday that the AFJPs might have to dump the securities as soon as this week..." http://bloomberg.com/apps/news?pid=20601213&sid=aPHDu0m4.K10&refer=home

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Provas Macro I e Econ. Monetária

Por causa da reunião dos estudantes de economia sobre a reforma curricular foram prorrogadas as provas em Macro I e Economia Monetária para a terça 4 de Novembro. Note também que a quinta não tem aula porque estou num congresso em Chile. Mais informações sobre o conteúdo das provas se encontra na postagem do sábado, dia 25 de Outubro abaixo.

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Economia brasileira

"... In Brazil, the fastest economic expansion in more than a decade may end as commodity prices, the local currency and stocks plunge. JPMorgan Chase & Co and Banco BNP Paribas Brasil SA cut their growth forecast for Latin America's biggest economy to less than 3 percent in 2009, which would be the slowest since 2003..." http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=20601086&sid=azS76yF7ZSVk&refer=news

Entender a origem da crise financeira

"... Securitization is a shadow banking system that funds most of the world's credit cards, car purchases, leveraged buyouts and, for a while, subprime mortgages. The system, which pools loans and slices up the risk of default, made borrowing cheaper for everyone, creating a debt culture that put credit cards in wallets from Seoul to Sao Paolo and enabled people to buy luxury cars and homes. It also pumped out record profits for banks, accounting for as much as one-fifth of their revenue over the last decade..." Artigo: http://bloomberg.com/apps/news?pid=20601109&sid=a0jln3.CSS6c&refer=home

Novas medidas do Banco Central do Brasil

-- "O Banco Central anunciou hoje mais uma mudança nas regras dos depósitos compulsórios recolhidos pelos bancos brasileiros. A medida pode injetar mais R$ 6 bilhões na economia. Por meio do compulsório, os bancos são obrigados a depositar em uma conta no próprio BC parte dos recursos captados dos seus clientes nos depósitos à vista, a prazo ou poupança. Quando o BC reduz o compulsório, libera mais dinheiro para que os bancos possam fazer empréstimos e outras operações..." -- http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u460854.shtml Entenda o que é o compulsório Veja a lista de medidas já anunciadas no Brasil

We're all living in America

http://www.youtube.com/watch?v=4w9EksAo5hY

sábado, 25 de outubro de 2008

Prova Macro I

Temas 1. Metas e instrumentos da política macroeconómica - Metas (crescimento económico, nível de preços estável, etc.) - Indicadores (taxa de desemprego, etc.) - Políticas (política fiscal, política monetária, etc.) - Instrumentos (i, TA, G, M, etc) 2. Contabilidade macroeconómica - Produção nacional - Despesa nacional - Renda nacional - PN = DN = RN - Cálculo do PIB - PIB real e nominal - Agregados macroeconómicos 3. Identidades macroeconómicas (veja Variáveis e Identidades macroeconómicas e monetárias) Componentes de Y Renda disponível (Yd) Condição de equilibrio (classico e keynesiano) Formas de poupança (SNAT, SGOV, etc.) Economia fechada sem governo Economia aberta com governo

Como melhorar a memoria

Melhore sua aprendizagem com as novas técnicas baseadas na pesquisa de memoria: http://www.super-memory.com/portug/smintroport.htm veja specificamente: http://www.super-memory.com/portug/powerport.htm

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Prova Economia Monetária

Temas: 1. O que é a moeda? Historia Funções Formas Meios de pagamentos Liquidez (graus de liquidez) Teoria quantitativa da moeda (M . V = Yr . P) Relação entre preços o moeda (unidade de conta) Poupança Troca 2. Oferta Monetária Papel do banco central Papel dos bancos comerciais Os quatro actores que determinam a oferta monetária O multiplicador bancário (monetário) Determinantes do multiplicador bancário Mudança das variáveis (com i, r, C/D etc.) e a massa monetária (M) 3. A criação de deposito múltiplo O processo da criação de depósitos O papel de empréstimos Os factores que limitam o processo Formula do processo

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Votando dinheiro por fora

Oct. 23 (Bloomberg) -- Brazil's central bank will pump the equivalent of $50 billion into currency markets, its boldest move yet to stem a two-month, 28 percent tumble in the real that has saddled companies with losses and stoked inflation...-- http://bloomberg.com/apps/news?pid=20601086&sid=ad7z3ciPOKXM&refer=news

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Palestra e debate sobre crise financeira

Vamos ter uma palestra e debate sobre a crise financeira mundial Dia: Quinta, 23 de Outubro 2008 Local: Sala 112 DID V Horario: 19:00 até 22:00 Estão liberados para participar os estudantes de Macro I e de Economia Monetária. Por favor registrar a sua presença no local.

terça-feira, 21 de outubro de 2008

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

A criação de moeda

Entender o processo como entra a moeda na economia é uma das conhecimentos mais importantes para os economistas. Sem saber como este processo funcionar, toda a fala sobre o que esta acontecendo na macroeconomia vale nada porque é o resultado de uma ignorância fundamental. Segue um link de uma fonte (Federal Reserve Bank of Chicago) que explica detalhadamente o processo da criação da moeda. Também se vocês, como estudantes, ainda não vão entender todo, vale salvar uma copia para ler com mais conhecimentos nos anos que vem. http://www.derinformant.com/cur_com/08-10-17_19-22-27.pdf

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Política Monetária

Oct. 9 (Bloomberg) -- Brazil, the world's biggest exporter of beef, sugar and coffee, may ease bank reserve requirements for a fourth time in two weeks to free up lending for farmers, Agriculture Minister Reinhold Stephanes said. Brazilian banks need an extra 5 billion reais ($2.2 billion) to meet financing demands from growers as a global credit crunch drains liquidity, Stephanes said today in a Bloomberg Television interview in Brasilia. ``We are going through a small strangling of credit,'' Stephanes said. ``Banks lack liquidity.'' Brazil, Latin America's biggest economy, has already eased requirements over the past two weeks, freeing up as much as 60 billion reais in a bid to weather the global credit crunch. Interbank interest rates have soared as lenders worldwide hoard cash, freezing the availability of loans. The Brazilian real has slumped 28 percent against the dollar since the start of August, the worst performer among the 16 most- traded currencies tracked by Bloomberg, as financial turmoil prompted investors to pull money out of emerging-market assets... -- http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=20601086&sid=aC63DK0gEgeo&refer=news

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Crise financeira atinge America Latina

Oct. 2 (Bloomberg) -- Latin America's fastest economic expansion in 30 years may be coming to an end as the global credit crunch stunts investment and squeezes demand for the region's commodities. -- http://bloomberg.com/apps/news?pid=20601087&sid=aeWRhkAoaDlE&refer=home

sábado, 27 de setembro de 2008

A crise financeira Americana começa afetar a economia Brasileira

Sept. 26 (Bloomberg) -- Brazilian bank lending growth may slow as the spreading global credit crunch increases the expense of raising capital while the local central bank increases borrowing costs... ``The picture is much more worrisome than some people are painting,'' said Fernando Meibak, founder of Sao Paulo-based Sunrise Investments, an alternative investments broker... -- http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=20601086&sid=ae9vJQ9HHBbs&refer=news

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Pasta

No Xerox de DID I se encontra os materias das disciplinas - Fundamentos - Macro 1 - Monetária do Prof. Antony

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Entender os ciclos financeiros

Vídeo palestra em inglês sobre os ciclos financeiros no contexto internacional: http://www.newmedia.ufm.edu/gsm/index.php?title=Financial_Cycles_and_Business_Activity

Avaliações

Proposta da avaliação: três provas parciais, um trabalho: 1. prova: peso 2 2. prova: peso 3 3. prova: peso 3 trabalho: peso 2

Economia Monetária - política monetária atual

O Banco Central do Brasil facilita liquidez: -- Sept. 24 (Bloomberg) -- Brazil eased rules on reserve requirements that banks must keep at the central bank in response to the credit crunch sparked by the U.S. financial crisis. Banco Central do Brasil delayed the introduction of higher rates for mandatory deposits from leasing companies by two months and raised the threshold on exemptions for cash, time and savings deposits, according to an e-mailed statement today. The measures will add 13.2 billion reais ($7.16 billion) to the financial system, the central bank said... -- Lea mais: http://bloomberg.com/apps/news?pid=20601086&sid=aAcTWDXLY9Do&refer=news

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Economia Monetária

DISCIPLINA: ECONOMIA MONETÁRIA NATUREZA: Obrigatória PROFESSOR: Dr. Antony MUELLER (antonymueller@yahoo.com) PERÍODO LETIVO: 2008/2 CRÉDITOS: O4 (quatro) HORÁRIO: TER – 19-21 DID 1 -010 QUI – 21-23 DID 1 - 009 LOCAL: Cidade Universitária São Cristovão I. EMENTA: Conceitos e modelos centrais da economia monetária. Formas e funções da moeda – papel da moeda no processo da divisão do trabalho – papel da moeda na economia moderna. A teoria quantitativa da moeda. Aspectos macroeconômicos da moeda – o lado monetário do modelo ISLM - mercados financeiros - inflação e deflação. Assuntos da atualidade. II. OBJETIVOS: 1. OBJETIVO GENÉRICO: Fornecer os conceitos e modelos centrais da teoria monetária e estudar a sua aplicação - aprender avaliar a política monetária, entender o mercado financeiro – capacitar o estudante analisar assuntos monetários na economia moderna. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Familiarizar o aluno com os conceitos fundamentais e com a terminologia técnica da economia monetária- entender os conceitos centrais da economia monetária e dos mercados financeiros e capacitar o aluno para avaliar as controvérsias da política monetária. Analisar o funcionamento dos mercados financeiros sob a perspectiva da teoria econômica. Ganhar um entendimento do funcionamento da economia monetária moderna e do papel da política montaria. III. METODOLOGIA: 1. Método: expositivo-dialógico 2. Procedimentos didáticos: - Estudos dirigidos em sala de aula - Apresentação de trabalhos de pesquisa e reflexão - Exercícios analíticos - Leituras reflexivas - Analise de exemplos - Aplicação de recursos visuais - Discussão de temas de atualidade IV. PROGRAMA: 1. Conceito de moeda 1. Funções da moeda 2. Tipos de moeda 3. Abordagem histórica 4. O papel da moeda no processo da divisão do trabalho 2. A moeda na economia 1. Meios de pagamento 2. Liquidez 3. Monetização e desmonetização 4. Ciclos financeiros 3. Oferta de moeda 1. Oferta de moeda pelo Banco Central 2. Oferta de moeda pelos bancos comerciais 3. O papel do setor financeiro na oferta monetária 4. O multiplicador monetário 4. Demanda de moeda 1. Motivos para a demanda 2. Demanda para transações 3. O papel da taxa de juros 4. A equação de Cambridge 5. Equilíbrio monetário 1. A curva LM 2. Investimentos e poupança na teoria clássica 3. IS no modelo Keynesiano 4. A teoria de “loanable funds” 5. Determinação da taxa de juros 6. Teoria quantitativa da moeda 1. Velocidade-renda da moeda 2. Equação de transações 3. Teoria quantitativa clássica 4. Teoria quantitativa moderna 5. Teoria quantitativa monetarista 7. Teoria da política monetária 1. Papel do Banco Central 2. Papel dos mercados financeiros 3. Modelo Keynesiano 4. Modelo de demanda e oferta agregada 8. Política monetária 1. Política monetária Keynesiana 2. Política monetária monetarista 3. Política monetária de metas de inflação 4. A regra de Taylor 9. O sistema financeiro 1. Estrutura 2. Funções 3. Tipos de mercados 4. O sistema financeiro Brasileiro 10. Crises financeiras 1. Colapsos financeiros 2. Hiperinflação 3. Depressão e deflação 11. O mercado monetário internacional 1. Taxa de câmbio 2. Fluxos de capital 3. Acordos cambiais 12. Problemas da atualidade 1. Moeda e política monetária do euro 2. Política monetária dos Estados Unidos 3. Política monetária do Brasil V. CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO - Serão realizadas tres provas, cada uma compreendendo parte da disciplina cada um com os peso 2 para a 1. prova, e o peso 2 para a 3. e 4. prova. - Os trabalhos terão peso dos - Será realizado um exame da recuperação sobre o conteúdo da toda a disciplina - Todas as provas, inclusive o exame, serão realizadas sem consulta VI. BIBLIOGRAFIA 1. BÁSICA - Frederic S. Mishkin: Moedas, Bancos e Mercados Financeiros. São Paulo: Editos LTC 2000 - N. Gregory Mankiw: Macroeconomia. Rio de Janeiro: Editora LTC 1998 - José L Carvalho, J. D. Gwartney, R. L. Stroup e R. S. Sobel: Fundamentos de Economia. Vol. 1. Macroeconomia. São Paulo: Editora Cengage Learning 2008 - Oliver Blanchard: Macroeconomia. São Paulo: Editora Pearson Education do Brasil 2007 (4ª edição) 2. COMPLEMENTAR - Marco Antonio S. Vasconcellos e Manuel E. Garcia: Fundamentos de Economia. São Paulo: Editora Saraiva 2000 - Gregory N. Mankiw: Introdução à Economia. Princípios de Micro e Macroeconomia. São Paulo: Campus 2000 3. Novas Mídias Podcasts: http://continentaleconomics.com/AudioLectures.html Video Lectures: http://continentaleconomics.com/NewMedia.html Blogspot http://economianova.blogspot.com/ O seu lugar para consultas, informações, comentários, perguntas e sugestões. Mais recursos: http://continentaleconomics.com/

Análise Macroeconômica

DISCIPLINA: Análise Macroeconômica I NATUREZA: Obrigatória PROFESSOR: Dr. Antony MUELLER (antonymueller@yahoo.com) PERÍODO LETIVO: 2008/2 CRÉDITOS: O4 (quatro) HORÁRIO: TER - 21-23 DID 3 - 109 QUI - 19-21 DID 3 - 009 LOCAL: Cidade Universitária São Cristovão I. EMENTA: Conceitos e modelos da teoria macroeconômica e a sua aplicação - Metas e instrumentos da política macroeconômica – Crescimento econômico, renda nacional, emprego, equilíbrio interno e externo. Modelo clássico e neoclássico – modelo Keynesiano. Moeda e Monetarismo. O ciclo de negócios – política conjuntural. Política monetária e fiscal. Economia aberta – taxa de câmbio – fluxos internacionais de capital. II. OBJETIVOS: 1. OBJETIVO GENÉRICO: Fornecer os conceitos centrais da teoria macroeconômica e aprender a sua aplicação. Aprender avaliar a política fiscal e monetária. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Familiarizar o aluno com os conceitos e modelos centrais da teoria macroeconômica – entender e aplicar os conceitos e modelos fundamentais e capacitar o aluno avaliar as controvérsias das políticas macroeconômicas -- ganhar conhecimentos específicos sobre a política monetária e fiscal – analisar a política macroeconômica Brasileira da atualidade no contexto internacional. III. METODOLOGIA: 1. Método: expositivo-dialógico 2. Procedimentos didáticos: - Estudos dirigidos em sala de aula - Apresentação de trabalhos de pesquisa e reflexão - Exercícios analíticos - Leituras reflexivas - Análise de exemplos - Aplicação de recursos visuais - Discussão de temas de atualidade - Exercícios quantitativos IV. PROGRAMA: 1. Fundamentos epistemológicos da teoria macroeconômica 1. Metodologia 2. Formas de analise 3. Formas de pesquisa 2. Conceitos fundamentais 1. Equilíbrio 2. Análise estático-comparativa 3. Estadísticas macroeconômicas 4. Construção de modelos 3. Técnicas da analise macroeconômica 1. Meta – Situação - Instrumentos 2. Metas da política macroeconômica 3. Instrumentos da política macroeconômica 4. O papel da teoria 5. O papel da empiria 4. Renda Nacional 1. Noção de Produto interno bruto 2. PIB real e nominal 2. Componente do produto nacional 3. Despesa nacional 4. Componentes da despesa nacional 5. Produção e Alocação 1. Função de produção 2. Equilíbrio do mercado de bens e serviços 3. Equilíbrio do mercado financeiro 4. Efeitos da política monetária e fiscal 6. Moeda 1. Conceitos da moeda 2. Funções da moeda 3. Demanda da moeda 4. Oferta da moeda 5. Distúrbios monetários 7. A cruz Keynesiana 1. Curva de Consumo 2. Investimentos e Poupança 3. Equilibrios 4. "Gap" inflacionario e deflacionario 8. Modelo ISLM 1. Abordagem algébrica 2. Curva IS 3. Curva LM 4. Equilíbrio 9. Política macroeconômica a curto prazo 1. Política fiscal 2. Política monetária 3. “policy mix” 4. Eficacia da política macroeconômica 10. Demanda e oferta agregada 1. Demanda agregada 2. Oferta agregada 3. Análise de equilíbrio 4. Aplicações 11. Análise de problemas macroeconômicos ] 1. Crescimento e desenvolvimento 2. Desemprego 3. Inflação e deflação 4. Crises econômicas e financeiras 5. Macroeconomia dos países emergentes V. CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO - Serão realizadas tres provas, cada uma compreendendo parte da disciplina. - O trabalho tem peso 2, a 1. prova tem peso 2, e a 2. e 3. prova tem peso 3. - Será realizado um exame da recuperação sobre o conteúdo da toda a disciplina - Todas as provas, inclusive o exame, serão realizadas sem consulta VI. BIBLIOGRAFIA 1. BÁSICA - N. Gregory Mankiw: Macroeconomia. Rio de Janeiro: Editora LTC 1998 - N. Gregory Mankiw: Introdução à Economia. Princípios de Micro e Macroeconomia. São Paulo: Campus 2001 - José L Carvalho, J. D. Gwartney, R. L. Stroup e R. S. Sobel: Fundamentos de Economia. Vol. 1. Macroeconomia. São Paulo: Editora Cengage Learning 2008 - Oliver Blanchard: Macroeconomia. São Paulo: Editora Pearson Education do Brasil 2007 (4ª edição) 2. COMPLEMENTAR - Marco A. S. Vasconcellos: Economía. Micro e Macro. São Paulo 2000 - Roberto Luis Troster e Francisco Mochón: Introdução à Economia. São Paulo: Makron Books 1999 - Daniel Fussfeld: A Era do Economista. São Paulo: Saraiva 2001 - Nali de Jesus Souza et al.: Introdução à Economia. São Paulo: Atlas 1997 3. Novas Mídias Podcasts: http://continentaleconomics.com/AudioLectures.html Video Lectures: http://continentaleconomics.com/NewMedia.html Blogspot: http://economianova.blogspot.com/ O seu lugar para consultas, informações, comentários, perguntas e sugestões Mais recursos: http://continentaleconomics.com/

domingo, 21 de setembro de 2008

Fundamentos de Economia

DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA NATUREZA: Obrigatória PROFESSOR: Dr. Antony MUELLER PERÍODO LETIVO: 2008/2 CRÉDITOS: O4 (quatro) HORÁRIO: SEG - 09-11 QUA - 09-11 LOCAL: DID 3 -002 UFS I. EMENTA: Conceitos e modelos básicos da teoria econômica, fatores de produção, demanda e oferta, formação dos preços, teoria dos custos, competição, mercados, micro-macro, moeda, política econômica e monetária, aspectos da economia internacional, aspectos da ordem econômica, atualidade econômica. II. OBJETIVOS: 1. OBJETIVO GENÉRICO: Fornecer os conceitos básicos da teoria econômica e aprender a sua aplicação, aprender avaliar a política econômica e monetária, entender a ordem econômica. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Familiarizar o aluno com os conceitos básicos da terminologia técnica da economia - entender os conceitos fundamentais e capacitar o aluno para avaliar as controvérsias da política econômica - analisar o funcionamento dos mercados e obter idéias básicas sobre a macroeconomia - ganhar conhecimentos sobre a política monetária e fiscal - entender a posição econômica do Brasil no mundo de hoje – discussão de sistemas econômicos. III. METODOLOGIA: 1. Método: expositivo-dialógico 2. Procedimentos didáticos: - Estudos dirigidos em sala de aula - Apresentação de trabalhos de pesquisa e reflexão - Exercícios analíticos - Leituras reflexivas - Analise de exemplos - Aplicação de recursos visuais - Discussão de temas de atualidade IV. PROGRAMA: 1. Fundamentos epistemológicos 1.1 Metodologia 1.2. Formas de analise 1.3 Formas de pesquisa 1.4Analise econômica e outras disciplinas 2. Conceitos básicos 2.1. Escassez 2.2. Fatores de produção 2.3. Alocação distribuição 2.4. Sistemas econômicos 3. Historia do pensamento econômico 3.1. Fisiocracia 3.2. Escola Clássica 3.3 Marxismo 3.4. Keynesianismo
3.5 Monetarismo 3.5. Novas abordagens 4. Demanda 4.1. Preferências do consumidor 4.2. Equilíbrio do consumidor 4.3. Demanda individual e do mercado 4.4. Elasticidades 5. Oferta 5.1. Teoria da firma 5.2. Função de produção 5.3 Custos 5.4 Lucro 6. Mercados 6.1. Concorrência perfeita 6.2 Monopólio 6.3 Oligopólio 6.4 Outras formas de concorrência 7. Moeda 7.1 Conceitos da moeda 7.2 Funções da moeda 7.3 Demanda da moeda 7.4 Oferta da moeda 7.5 Inflação deflação 8. Política macroeconômica 8.1 Renda nacional 8.2 Política de estabilização 8.3 Oferta e demanda agregada 8.4 Instrumentos macroeconômicos 9. Economia Internacional 9.1 Comércio internacional 9.2 Balanço de pagamentos 9.3 Taxa de câmbio 10. Desenvolvimento Econômico 10.1 Crescimento econômico 10.2 Dependência 10.3 Pobreza 10.4 Política econômica de desenvolvimento 11. Sistemas econômicos 11.1 Formas de Capitalismo 11.2 Formas de Socialismo 11.3 A posição econômica do Brasil 11.4 Globalização V. CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO - Serão realizadas duas avaliações, cada uma compreendendo parte da disciplina cada um com peso quatro - Os trabalhos terão peso dois - Será realizado um exame da recuperação sobre o conteúdo da toda a disciplina - Todas as provas, inclusive o exame, serão realizadas sem consulta VI. BIBLIOGRAFIA 1. BÁSICA - José L Carvalho, J. D. Gwartney, R. L. Stroup e R. S. Sobel: Fundamentos de Economia. Vol. 1. - São Paulo: Editora Cengage Learning 2008 - Marco Antonio S. Vasconcellos e Manuel E. Garcia: Fundamentos de Economia. São Paulo: Editora Saraiva 2000 - Gregory N. Mankiw: Introdução à Economia. Princípios de Micro e Macroeconomia. São Paulo: Campus 2001 2. COMPLEMENTAR - Marco A. S. Vasconcellos: Economía. Micro e Macro. São Paulo 2000 - Roberto Luis Troster e Francisco Mochón: Introdução à Economia.
São Paulo: Makron Books 1999 - Daniel Fussfeld: A Era do Economista. São Paulo: Saraiva 2001 - Nali de Jesus Souza et al.: Introdução à Economia. São Paulo: Atlas 1997 3. Novas Mídias Podcasts: http://continentaleconomics.com/AudioLectures.html Video Lectures: http://continentaleconomics.com/NewMedia.html Blogspot: http://economianova.blogspot.com/ O seu lugar para consultas, informações, comentários, perguntas e sugestões
Mais recursos:

A Crise do Mercado Financeiro

Artigo sobre a crise do mercado financeiro Setembro 18, 2008: "Early this year, the US central bank decided to manage the debt crisis in the light-hearted belief that a few aggressive rate cuts would "unfreeze" the banking system. Yet as of the end of the third quarter of 2008, the arteries of the financial system are still cluttered, and the financial system has moved even closer to total collapse..." Antony Mueller: "What's Behind the Financial Market Crisis?" http://mises.org/story/3111

Aulas do Professor Dr. Antony Mueller

Segundo Semestre 2008 Disciplinas: Análise Macroeconômica I TER - 21-23/ Sala de aula - DID 3 -109 QUI - 19-21/ Sala de aula - DID 3 -009 Economia Monetária TER - 19-21/ Sala de aula - DID 1 - 010 QUI - 21-23/ Sala de aula - DID 1 - 009 Fundamentos de Economia SEG - 09-11/ Sala de aula - DID 3 - 002 QUA - 09-11/ Sala de aula - DID 3 - 002 Podcasts do primeiro semestre de 2008 A Crise da Governança Global Crescimento Econômico Desenvolvimento Econômico O Proteccionismo Moderno Economia Monetária Livre Comércio contra Proteccionismo A Posição do Euro no Sistema Monetário Internacional A Posição Econômica do Brasil no Mundo de Hoje Inovação, Capital e Empreendorismo Como escrever um artigo científico mais podcasts e slide shows:http://continentaleconomics.com/AudioLectures.html